Conheça as cinco equipes vencedoras da 2° Edição do Prêmio Mulheres Tech em Sampa

tech_em_sampa__credito_blog_viva_rua
Vencedoras da segunda edição do Prêmio Mulheres Tech em Sampa (Foto: Blog Viva Rua)

Cinco projetos que incentivam a entrada de mulheres na tecnologia foram premiados durante o 41º Café com Empreendedoras, edição especial – Prêmio Mulheres Tech em Sampa

A cerimônia de premiação da segunda edição do Prêmio Mulheres Tech em Sampa – realização da Rede Mulher Empreendedora (RME), Tech Sampa – política da Prefeitura Municipal de São Paulo de estímulo à inovação e ao desenvolvimento de startups e Google for Enterpreneurs – aconteceu na manhã da última sexta-feira, dia 11, no auditório do Google. Além da cerimônia de premiação, o evento também contou com um debate entre as vencedoras da primeira edição do Prêmio, que discutiram a importância de fomentar a presença de mais mulheres na tecnologia. Estiveram presentes a Secretária Municipal de Política para as Mulheres, Denise Motta Dau, além de representantes do Google e da Rede Mulher Empreendedora.
Os cinco projetos vencedores, escolhidos entre mais de 50 iniciativas, receberam um total de 50 mil reais, sendo 10 mil para cada um, além de um ano de mentoria com a Ana Fontes, fundadora Rede Mulher Empreendedora. As iniciativas escolhidas, coordenadas por mulheres, têm o propósito de estimular a maior presença de mulheres no setor de tecnologia, e serão realizadas na cidade de São Paulo, ao longo de 2016. O objetivo é desmistificar o universo de startups e da tecnologia como territórios masculinos, ampliando a participação, capacitação e liderança de mulheres na área.

Os projetos ganhadores são:

Academia Lovelace

Proposto por Letícia Santos e Jean Lima, o projeto consiste em um curso online de programação, com módulos presenciais. Ao final do curso, como experiência prática, as alunas construirão projetos de tecnologia para entidades sem fins lucrativos.

Curso prograMaria: EuProgrAMO – introdução à lógica de programação e desenvolvimento web

O projeto de Iana Chan e Luciana Fernandes consiste em um curso presencial de programação para mulheres, com carga horária de 32 horas (serão duas turmas, com 30 alunas cada), além da criação de uma rede de mulheres na tecnologia e banco de talentos.

Marialab Hackerspace

dealizado por Vanessa Tonini e Carine Ross, o projeto visa oferecer 10 oficinas de capacitação em tecnologia para mulheres a partir de 14 anos, além de criar uma rede de apoio das participantes para troca de informações e ajuda.

PyLadies São Paulo

Alini, Erika e Pat são as coordenadoras do PyLadies São Paulo. O projeto pretende realizar ao menos nove cursos, ao longo de 2016, para o ensino de programação para mulheres da cidade de São Paulo, utilizando a linguagem Python. Dentre eles, há um curso especialmente voltado para meninas de até 13 anos.

Women Up Games

Criado por Ariane Parra, o projeto buscar estimular o interesse de mulheres pelo desenvolvimento de games, a partir da realização de cinco Game Days (campeonatos) temáticos para mulheres e sete palestras com o tema “mulheres nos games”.

Menção Honrosa - As aventuras de Meg Margadinória no Reino das Formigas

O projeto “As aventuras de Meg Margadinória no Reino das Formigas“, proposto por Tatiana Barros ganhou Menção Honrosa do comitê julgador pelo seu mérito em se propor a trabalhar com meninas do Ensino Fundamental I, momento em que se inicia o afastamento de meninas das Exatas, através do estereótipo de que “matemática não é coisa de menina”

Vencedoras do Prêmio Mulheres Tech em Sampa 2014

premio-mulher2

Os projetos vencedores foram revelados e premiados, durante a Campus Party Brasil. Os cinco ganhadores foram escolhidos entre mais de 60 iniciativas inscritas.

A premiação foi criada para incentivar a atuação de mulheres na área de tecnologia e foi realizada pela Rede Mulher Empreendedora (RME), Google For Entrepreneurs e Tech Sampa, política da Prefeitura de São Paulo de fomento a novas empresas de tecnologia.

Os cinco projetos receberam um total de 50 mil reais (R$ 50.000,00), sendo 10 mil para cada um. As iniciativas escolhidas têm o propósito de estimular o empreendedorismo feminino com foco em tecnologia e são coordenadas por mulheres. O objetivo é ampliar a participação de mulheres no ecossistema de startups da cidade por meio de iniciativas gratuitas ou de baixo custo realizadas durante o ano de 2015.

Os projetos ganhadores são:

TECHNOVATION - incentivo a jovens mulheres

Coordenado por Camila Achutti, esse projeto pretende inspirar meninas e mulheres em uma competição de empreendedorismo e programação. Times nas divisões de Ensino Fundamental II e Médio trabalharão na programação e desenvolvimento da estratégia de nego´cios de um aplicativo que solucione um problema real.

RODADA HACKER – incentivo a jovens mulheres

Coordenado por Gabriela da Costa Aguiar Agustini, é uma oficina de programação especialmente desenhada para meninas e mulheres. Um encontro para quem quer imaginar e construir projetos incríveis e recriar as tecnologias da rede.

CANAL GIRLS IN TECH - networking/ melhor Comunicação

Coordenado por Loana Felix, o projeto consiste em criar um Canal Girls in Tech no YouTube (um Vlog), onde serão publicados semanalmente vídeos tutoriais sobre algum tópico previamente levantado e pesquisado dentro do Blog Girls in Tech, da página Girls in Tech no Facebook, e também com a colaboração de outros parceiros.

STARTUP IN SCHOOL - educação empreendedora

Jaciara Martins Fontes Cruz pretende desenvolver oficinas para estudantes do ensino fundamental e médio inspiradas no modelo de geração de business model CANVAS e hackathons, com metodologia adaptada para o público adolescente.

MULHERES 50+ em Rede - incentivo a mulheres mais maduras

O projeto da Tássia Monique Chiarelli será desenvolvido em formato de oficinas semanais e presenciais com o propósito de capacitar mulheres que já possuem um negócio de pequeno porte em assuntos ligados a área digital, a fim de aumentar o seu domínio no ambiente virtual, melhorar a visibilidade de seu negócio e gerar novas perspectivas de empreendedorismo digital.